sábado, 20 de junho de 2009

Pequenos amores


O livro "Pequenos Amores", de José Roberto Torero, já inova pelo formato. Ele é pequeno, quase de bolso. Também é desses que se lê numa tacada só. É ilustrado com desenhos irônicos e sarcásticos, assim como os textos o são. Ideal para dar de presente à namorada.

Como eu não tenho namorada, me dei "Pequenos Amores" de presente. E não me arrependi. Se tivesse namorada, compraria um para ela e teria de comprar outro para mim, pois não gosto de emprestar. Portanto, sem namorada, economizei R$ 8,00 no sebo.

Lírico, irônico e poético, o livro conta o que acontece em Paraíso, cidade de 11.890 habitantes, coincidentemente o mesmo número de capítulos da Bíblia multiplicado por 10, que é o número de mandamentos (1.890x10). Torero começa falando de Adão e Eva até concluir que, possivelmente, Paraíso fica no mesmo lugar onde foi o Éden.

Com capítulos curtíssimos contando pequenas histórias recheadas de amor e muito, mas muito humor negro e sarcasmo, o leitor conhece as pequenas histórias amorosas dos habitantes de Paraíso, sempre uma ligada à outra.

Como exemplo, transcrevo o capítulo XXXII:
"No Circo de Variedades Oitava Maravilha trabalham Mario e Maria Sanchez, os únicos trapezistas nacionais que conseguem dar o salto triplo mortal sem rede.
Esse é um número que exige total confiança entre os parceiros.
Mário confiava em Maria até descobrir que Maria o traía com Piteco, o palhaço.
Maria, que não sabia que tido descoberta, ainda confiava em Mário na noite em que ele a deixou cair."

No capítulo L (50) que é o que vem depois do fim, o autor volta a falar de Adão e Eva e o que ocorreu com eles depois que foram expulsos do paraíso. Baseado nestes acontecimentos, Torero sugere como foi que surgiu o significado do que é "Amor". E, para terminar, sugere até o local onde Adão e Eva foram enterrados.

Vale a pena ler. "Pequenos Amores" é delicioso. Um presente e tanto, não só para namorados e namoradas, mas para si mesmo, familiares e, porque não, para pequenos amores do dia-a-dia.

7 comentários:

TyZ disse...

Olha!
O moço sabe presentear! =)
Sem dúvida, Danilo, um bom livro é o melhor presente que se pode dar a alguém, concordo.

Vou ver se encontro num sebo por aqui!
E gostei da ideia de ser também para os pequenos amores do dia-a-dia =)

Danilo disse...

Foi mesmo um presente que me dei, Tyz... rsrsrs

O único problema em presentar amores do dia-a-dia é que pode-se gastar uma fortuna com isso...

TyZ disse...

Hehehehe, de fato. Mas vale a pena!
Tudo o que se faz de bom pelas pessoas vale só pelo sorriso delas!
É o que eu acho =)

Junior Mohr disse...

Olha! Paraíso tem quase o mesmo número de habitantes que Jataizinho!!! Será que Éden não ficava por aí não?

Danilo disse...

É verdade Júnior!!! nem tinha me ligado nisso... As histórias são iguais também. Vou escrever um livro sobre isso.

Emanuelen disse...

aff ainda bem q emprestei para ler,pois meu namorado nunca ia me dar um livro de presente....
ótimo livro...
o paraíso pareçe bem jataizinho msm...até um circo havia em jataizinho....

Dueldy disse...

Anotado!